BUSCAR
Twitter
Twitter
Instagram
Facebook

Agenda

Evento Especial

SEMINÁRIO "RAÍZES DA INTOLERÂNCIA NO BRASIL"

18/09 15h | atividade realizada pelo Zoom

O que a memória das línguas mortas e resistências linguísticas nos dizem sobre sermos um país que é tão diverso quanto avesso à alteridade?

 

Curadoria: Deborah Goldemberg

De 16 a 18 de setembro, das 18h às 21h (quinta e sexta-feira) e das 15h às 18h (sábado)

Faça sua inscrição clicando aqui.

A atividade será realizada por meio da plataforma Zoom.

 

A partir da exposição do histórico colonial sem paralelo de extermínio e proibição de mais de mil línguas que eram faladas no território que veio a ser chamado de Brasil, o seminário propõe uma reflexão sobre as causas da intolerância no país, com uma sessão dedicada também à colonização portuguesa no continente Africano, trazendo uma perspectiva comparativa. No Brasil, além do português, ainda são faladas cerca de duzentas línguas, mas por poucos grupos, e, além disso, são poucas as pessoas que sabem dessa diversidade. Pensando no futuro, o seminário também lançará luz sobre os esforços de resistência linguística e, mais recentemente, de resgates linguísticos que vêm sendo empreendidos por vários atores.

 

Quinta-feira, 16 de setembro

Por que falávamos milhares de línguas no ano de 1500 e hoje acreditamos ser “o maior país monolíngue” do mundo?

 

18h | ABERTURA

 

Deborah Goldemberg – Curadora do seminário

 

18h10 | MESA 1: O que o histórico das línguas que existiram e deixaram de existir no território que chamamos de Brasil nos diz sobre nós?

 

Deborah Goldemberg  – Mediadora

 

Aílton Krenak – líder indígena, filósofo, escritor e artista – Performance

 

Tânia Clemente de Souza – UFRJ – Museu Nacional – “Quem falava e em qual língua no território que hoje chamamos de Brasil antes da colonização? Que tipo de país somos hoje, em termos linguísticos?”

 

José Alves – UFPA/Dept História – “O que significou a política instituída pelo Marques de Pombal, via Diretório dos Índios, para o Grão-Pará e, num segundo momento, para o Brasil?”

 

19h30 | MESA 2: Como surgiram as línguas gerais e qual função elas cumpriram?

 

Maria Silvia Cintra Martins – UFSCAR/Departamento de Linguística – Mediadora

 

João Paulo Ribeiro e Zulmiro Vitor  – UFSCAR/Vozes Indígenas (Depto. de Línguistica)  – Performance

 

José Bessa Freire – “Como surgiu o tupi amazônico e a serviço de que? (nhengatu e resistência das línguas amazônicas)”

 

José de Souza Martins – Sociólogo/USP – “O tupi paulista e fala caipira”

 

 

 

Sexta-feira, 17 de setembro

Como morre uma língua? Como algumas línguas resistem e outras, até já esquecidas, podem ser revitalizadas ou até ressuscitadas?

 

18h | Reabertura do Seminário – Deborah Goldemberg & homenagem a Karapiru

 

18h10 | MESA 3: Como morre uma língua?

 

Marcelo Ariel – Filósofo e poeta – Mediador

 

Charles Trocate – Poeta amazônida  – Performance

 

Sydney Possuelo – Sertanista – “Como morre uma língua? A violência física no silenciamento de línguas e povos”

 

Marcelo Lemos – Geógrafo – “Como se deu a tentativa de silenciamento da língua Puri no Sudeste do Brasil? Desterritorialização e miscigenação”

 

Indicações de filmes:

Serra da Desordem

Avaeté 

 

19h30 | MESA 4: Como uma língua tenta sobreviver, é revitalizada e até ressuscitada?

 

Florêncio Vaz – Mediador

 

Avelino Taurepang – Performance

 

Rosileide Barbosa – Doutoranda Kaiowá  –  “A grande resistência guarani, ao longo de 521 anos – qual o segredo?”

 

Denise Silva e Maisa Terena – “O sucesso do programa de fortalecimento da língua e cultura Terena no Mato Grosso do Sul”

 

Carmelita Lopes/Ñáma Telikong – “É possível ressuscitar uma língua considerada morta? Como? O caso Puri”

 

 

Sábado, 18 de setembro

O legado português no continente africano (em perspectiva comparativa) e outros futuros possíveis

 

15h | MESA 5: O legado português nos países africanos

 

Kadine Teixeira - Universidade de Lisboa - Mediadora
 
 
Luís Kandjimbo - Unesco e Universidade Óscar Ribas (Angola) - "Literaturas africanas em língua portuguesa: questões de identidade"
 
 
Paolino Soma - Cátedra de Língua Portuguesa da Univ. Católica de Angola e Instituto Superior de Ciências da Educação de Huíla (Angola) - "Multilinguismo X Língua Portuguesa: problemáticas acerca de cultura e identidade"
 
 
Joana Deus e Almudena Ferro - Associação Renovar a Mouraria e Fundação Cidade de Lisboa - "Língua Portuguesa e Educação Intercultural: um projeto para a integração de migrantes"

 

 

 

16h45 | MESA 6: Grande debate – Por que somos tão intolerantes? Futuros possíveis

 

Marcelo Tápia  – diretor da Rede de Museus-Casas Literários de São Paulo – Mediador

 

André Baniwa – "O significado da co-oficilizacao de línguas na experiência de São Gabriel da Cachoeira/COIAB"

 

Rosângela Morello – "Oficialização e co-oficialização de línguas (IPOL – Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística)"

 

Diana Luz de Barros – Universidade de São Paulo e Universidade Presbiteriana Mackenzie – "Intolerância e Linguística"

 

Denise Silva – Década Internacional da Línguas Indígenas/UNESCO (IPED)

 

18h | Encerramento

 

Indicações de filmes:

Uma coleção de filmes produzidos por indígenas, a partir de capacitações e apoio de Vicent Carelli, disponíveis no site “Vídeo nas aldeias"

 

Sobre as línguas faladas por imigrantes poloneses, alemãos e italianos no final do século XVIII e início do século XIX: Receitas da memória.

 

 

CASA DAS ROSAS
ESPAÇO HAROLDO DE CAMPOS DE POESIA E LITERATURA
+55 (11) 3285.6986 | 3288.9447 contato@casadasrosas.org.br
Av. Paulista, 37 Bela Vista CEP 01311-902 São Paulo Brasil
HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DO MUSEU
Terça a domingo, das 10h às 18h
(Passível de alteração, de acordo com a programação).
Governo do Estado de São Paulo

Este site utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.
Consulte sobre os Cookies e a Política de Privacidade para obter mais informações.

ACEITAR